colaboração burning man

Férias é época de tirar a cabeça do trabalho e das responsabilidades do ano todo e recarregar o corpo e a mente. Eu acredito que esse distanciamento, além de ser essencial pra nossa saúde, também é uma ótima oportunidade de viver experiências que nos permitem enxergar com mais clareza a nossa vida e o rumo que estamos dando pra ela.

Este ano eu aproveitei minha liberdade de freela e me dei uma folga pra participar do festival Burning Man. Trata-se de um festival que reúne 70 mil pessoas todos anos no meio de um deserto totalmente inóspito nos Estados Unidos, em uma cidade temporária que só existe durante os 7 dias do festival, e onde todas essas pessoas são incentivadas a criar algo incrível, desde obras de arte e sets de música eletrônica até experiências bizarras.

O principal ponto que diferencia o Burning Man da maioria dos grandes festivais que acontecem no mundo todo é o forte senso de comunidade.

colaboração no burning man

“The Man”, símbolo do festival

 

Lá não tem line-up com banda famosa nem parque de diversões montado pra você só chegar e aproveitar. Tudo o que existe lá é criado e recriado constantemente pelas pessoas que participam, ou seja, você. Isso faz com que uma das principais bases do evento seja a colaboração.

Eu já sabia que isso seria um grande desafio pessoal pra mim. Sempre fui bastante individualista em meus projetos, preferindo dar conta de tudo sozinha a compartilhar a responsa e os resultados com outras pessoas.

Era de se esperar que já na fase dos preparativos, eu levasse a primeira rasteira.

Eu não conseguiria sobreviver sozinha

Mentira. Conseguiria, sim, mas seria muito mais difícil. Não tem nada pra comprar lá no deserto, você tem que levar absolutamente tudo de que vai precisar pra sobreviver. Isso inclui os 40 litros de água recomendados por pessoa pra semana toda; uma bicicleta, meio de transporte essencial nos 20 km² de evento; e alguma estrutura que faça sombra, afinal é um deserto e não tem sequer uma árvore pra botar a barraca embaixo.

Eu poderia ter alugado um carro pra levar tudo isso e meu problema estaria resolvido, mas sairia muito mais caro do que eu estava disposta a pagar, e dirigir e ficar mais de 10 horas na fila pra entrar seria muito mais cansativo do que eu estava disposta a aturar.

Preferi ir de ônibus, e não tinha como levar tudo isso e mais minha barraca, comida, roupas e outros itens dentro do limite de bagagem. A solução foi me unir a um dos vários theme camps, acampamentos temáticos que reúnem pessoas pra facilitar a vida de todos e a criação de coisas incríveis no deserto.

colaboração no burning man

Amanhecer no Temple of Promise, a coisa mais incrível que vi no deserto

 

Um acampamento é colaboração o tempo todo

Não é só pagar sua estadia e ser servido de forma impessoal, como se fosse um hotel. Você contribui com uma grana pra cobrir os custos de infraestrutura; colabora como pode com seu tempo e esforço; e se integra no grupo. As pessoas com quem você acampa são sua família por uma semana, e cada um faz a sua parte pra que todos fiquem seguros e felizes.

Os organizadores do meu acampamento, que moram na região e participam do evento todos os anos, levaram e montaram a infraestrutura: área coberta, cozinha, bicicletas, artes e até a água de todo mundo. Quem chegou depois (por exemplo, eu) manteve tudo limpo e organizado e desmontou a coisa toda no último dia. Meu trabalho específico, por exemplo, era ficar responsável pela reciclagem das latinhas de alumínio.

Mesmo antes de ir, só conversando com o pessoal do acampamento pelo nosso grupo do Facebook, sem conhecer ninguém pessoalmente, eu já pude ajudar a criar e organizar eventos e coisas legais pra oferecer pra comunidade. Já de cara percebi que, participando de um acampamento, eu seria capaz de colaborar com a cultura do Burning Man de formas que eu jamais conseguiria sozinha.

Esses acampamentos são a base do Burning Man

Já falei que são os participantes que constroem o evento, né? Imagina o quão chato seria se ele dependesse apenas do que cada um conseguisse fazer individualmente? É por isso que existem acampamentos pra tudo.

Muitos montam bares, trazem muita bebida pra distribuir pra todo mundo. Outros muitos montam toda uma estrutura de som e luz pros DJs tocarem e a galera dançar 24 horas. Outros trazem obras de arte extremamente complexas que precisam começar a ser montadas semanas antes do início do evento. Alguns se dedicam a criar experiências únicas, como um banho de espuma coletivo com todo mundo dançando pelado e DJ discotecando. Outros distribuem todo tipo de comida todos os dias pra centenas de pessoas.

colaboração no burning man

Você acha que a piscina de ursos de pelúcia gigantes é obra de uma pessoa só?

 

Daria pra alguém fazer tudo isso sozinho? Dificilmente. Essas coisas exigem muita grana e dão muito trabalho, exigem uma equipe. O Burning Man como ele é simplesmente não existiria se as pessoas não se reunissem em acampamentos para realizar as maiores bizarrices que a imaginação pode conceber.

No meu acampamento, organizamos dois grandes eventos: no primeiro, distribuímos mais de mil sanduíches de queijo grelhados. Todo mundo ficou feliz e bem alimentado, e a gente se divertiu horrores interagindo com as pessoas na fila ou ajudando na linha de montagem dos sanduíches.

colaboração no burning man

No segundo, fizemos uma “festa de casamento” pros casais que se casam no Burning Man (tem muitos!). Nesse dia, ainda contamos com a parceria de um outro acampamento que montou nada mais nada menos que uma confeitaria no meio do nada. Foi assim que conseguimos assar e decorar um bolo de casamento em pleno deserto.

colaboração no burning man

Casal feliz cortando o bolo que fizemos no deserto

 

É tudo na base da economia da doação

Nada é comprado nem vendido dentro do Burning Man. Todas essas coisas maravilhosas que os acampamentos oferecem são doadas pra você. Não é escambo, é doação. Ninguém espera nada em troca.

Isso funciona num nível coletivo, porque todos os participantes de um acampamento colaboram com a grana e o trabalho pra fazer tudo acontecer.

Funciona também num nível mais individual. Se você tem duas canecas e o seu novo amigo não tem nenhuma, mas os dois querem pegar bebida no acampamento da esquina, é natural dar a caneca pro amigo.

Pra dar um exemplo mais maluco, fui num passeio de bike com 500 pessoas nuas e embriagadas sob o sol do meio-dia, e tinha gente distribuindo protetor solar pra que ninguém se queimasse, e gente distribuindo água pra ninguém passar mal.

colaboração no burning man

Este senhor dava aulas de bambolê enquanto o bar do acampamento dele tava bombando

 

E assim cada um vai doando o que pode pra que todos fiquem felizes. Sem esperar nada em troca.

Até o lixo é responsabilidade de todos

Um dos “10 Princípios” do Burning Man é “não deixar rastros”. O deserto tem que ficar exatamente como estava antes do evento, como se nada tivesse acontecido. Isso é essencial pra que a organização consiga o alvará do governo americano pra realização do evento no ano seguinte, então essa consciência é levada muito a sério por todos.

O Guia de Sobrevivência do Burning Man, divulgado pela organização, já deixa bem claro: aqui não tem lixeira. Todos são responsáveis por levar seu lixo embora e causar o mínimo possível de dano ao solo.

Isso faz com que as pessoas levem o mínimo de lixo possível. Os bares não oferecem copos de plástico, por exemplo. Se você não levar seu próprio copo reutilizável, não adianta chorar, você vai ficar sem drinks.

Pra dar um outro exemplo, tomar banho é extremamente difícil porque você não pode simplesmente ficar em pé no chão e jogar um galão de água na cabeça, já que a água suja danifica o solo. Tem que pensar em todo um esquema pra recolher essa água e levá-la embora.

colaboração no burning man

Levei a canequinha retornável do meu bar favorito pra representar no Burning Man

 

Agora, com a quantidade absurda e totalmente desnecessária de lixo que cada um de nós produz em casa todos os dias, imagina o quanto seria difícil não deixar rastros se isso não fosse responsabilidade de todos?

A gente está muito mal acostumado a ver o nosso lixo simplesmente desaparecer na lixeira do prédio e deixar de ser problema nosso. No Burning Man, não dá pra manter essa ignorância. Cada guardanapo de papel que a gente usa é problema nosso.

Individualidade também conta

E muito. O mais impressionante do Burning Man é que as pessoas conseguem estar totalmente imersas na comunidade, participando e colaborando como podem, e ainda assim manter e exibir suas personalidades únicas.

Ninguém precisa se definir pelo grupo. Cada um pode ser e fazer o que quiser, contanto que respeite o limite da individualidade do próximo.

DSC06468

Cada um pode (e deve) mostrar sua personalidade

 

Pra mim, que sempre tive tanta dificuldade em equilibrar o “eu” e o “grupo”, essas férias foram uma aula e tanto. Ser parte de algo coletivo não te obriga, de jeito nenhum, a eliminar a sua individualidade. E cuidar de si mesmo e fazer exatamente o que você quer não impede que você seja parte de algo muito maior.

Ainda estou digerindo tudo o que eu trouxe do deserto. Mas já me sinto um pouco mais desapegada das coisas pequenas e disposta a participar do que vai além de mim.

Se você se interessou e quer saber mais, no meu blog eu expliquei com mais detalhes o que é o Burning Man e como ele funciona; e também contei e postei ainda mais fotos da minha experiência no Burning Man 2015.

Você também pode gostar de:

Pré-inscrição de Curso


×

×

×
[contact-form-7 id="30510" title="Formulário de Locação de Sala"]

×
Interessa em fazer parte da Tribo

A comunidade online vai ser liberada no dia 29 de Maio. Deixe seus contatos aqui e receba acesso em primeira mão!
[activecampaign form=106]

×

Produção Audiovisual na Prática

No curso Produção Audiovisual na Prática, vamos te mostrar a realidade atual e as tendências do mercado, como resolver os problemas que podemos encontrar pelo caminho, como achar o cliente certo e conquistá-los, além de técnicas de roteiro, brief, manuseio de equipamentos, como montar um orçamento e apresentar a proposta ideal de trabalho ao seu público.

Quem é o Professor

Gabriel Marchi é filmmaker, diretor cinematográfico e jornalista especializado em Produção e Mercado Audiovisual pela PUC PR. Formado em Direção de Fotografia pela AICTV – Academia Internacional de Cinema e Televisão, já criou vídeos dos mais diversos formatos, incluindo documentários, videoclipes, institucionais, filmes publicitários e web vídeos. Atende a demanda de audiovisual Brasil afora, incluindo Ministério da Saúde, History Channel, Orquestra Filarmônica de Curitiba, Shopping Pátio Batel, Shopping Estação, Hospital Vita, Britânia, Philco, diversas agências de publicidade e emissoras locais.

×

Edição de Vídeo com Adobe Premiere

No curso Edição de Vídeo com Adobe Premiere, você vai aprender como editar vídeos na prática! O curso é totalmente voltado ao mercado de trabalho e aborda as principais etapas da montagem de um vídeo ou filme. Você vai aprender conceitos de edição, organização, técnicas profissionais de trabalho, edição, sonorização, efeitos até a exportação. Tudo isso sempre ligado a referências, exemplos reais e atividades práticas.

Quem é o Professor

Bruno Baltarejo é professor e coordenador dos cursos de audiovisual no portal TreinaWeb. Trabalha com edição e pós produção de filmes publicitários e cinema desde 2006. Instrutor com diversas certificações internacionais; Authorized Trainer DaVinci Resolve, Adobe Certified Instructor em After Effects, Premiere, Illustrator, Lightroom, Photoshop, Video Specialist.

×

Storytelling

Neste curso de Storytelling você aprender na prática o passo a passo para construir boas histórias. Seja para um livro, blog, podcast, TED Talks, redes sociais, apresentação de projetos e etc.
E há técnicas para isso. Desde as mais simples, que você consegue escrever num guardanapo, até as mais minuciosas, em que você gastará páginas e páginas de planejamento, montando cada detalhe da história com o cuidado para que ela nunca deixe de ser interessante.

Quem é o Professor

Ivan Mizanzuk é doutor em Tecnologia (UTFPR) e professor em cursos de Design, Arquitetura e Jornalismo em Curitiba-PR, além de escritor e podcaster. Autor dos livros “Existe Design?” e “Até o Fim da Queda” e host do podcast AntiCast desde 2011. Em 2015 lançou o Projeto Humanos, um dos poucos podcasts em formato storytelling no Brasil, mesmo formato de programas de grande sucesso nos EUA, como Serial, This American Life e Radiolab.

×

Adobe After Effects

O After Effects é um dos mais antigos softwares da Adobe, imbatível na área de composição para televisão, cinema e internet. É vastamente utilizado na criação de efeitos digitais, cartelas publicitárias, animações vetoriais, tipográficas, infográficos animados e MUITO mais. Este curso aborda uma visão geral deste prestigiado software, ideal para quem está iniciando o uso desta ferramenta. É apresentado a integração com os demais softwares Adobe, técnicas de composição, workflow de produção, animação, entre outros conceitos importantes voltados para a área de Motion Graphics e Efeitos Visuais.

Quem é o Professor

Bruno Baltarejo é professor e coordenador dos cursos de audiovisual no portal TreinaWeb. Trabalha com edição e pós produção de filmes publicitários e cinema desde 2006. Instrutor com diversas certificações  internacionais; Authorized Trainer DaVinci Resolve, Adobe Certified Instructor em After Effects, Premiere, Illustrator, Lightroom, Photoshop, Video Specialist.

×

Youtube Business

No curso YouTube Business, você aprende como montar seu canal, gerenciá-lo com qualidade, monetizá-lo e transformá-lo num negócio rentável. 
Além de entender como definir seu público específico, como começar um canal desde os primeiros passos, definir sua estratégia de conteúdo e linguagem, desenvolver relacionamentos com outros influenciadores e bombar a divulgação do seu canal, seja ele pessoal ou empresarial.

Quem é o Professor

Ricardo Almeida é cofundador da Coletive, aceleradora de canais do YouTube. Desde o início da sua carreira, trabalhou com canais gigantes do Brasil e do exterior, como PC Siqueira, Kéfera, NiceNienke, Gabriel O Pensador, Clara Aguilar e Tesão Piá e empresas como SEBRAE, Positivo e a própria Aldeia. É jornalista pós-graduado em Comunicação Audiovisual e diretor de produção.

×

Branding e Gestão de Marcas

No curso Edição de Vídeo com Adobe Premiere, você vai aprender como editar vídeos na prática! O curso é totalmente voltado ao mercado de trabalho e aborda as principais etapas da montagem de um vídeo ou filme. Você vai aprender conceitos de edição, organização, técnicas profissionais de trabalho, edição, sonorização, efeitos até a exportação. Tudo isso sempre ligado a referências, exemplos reais e atividades práticas.

Quem é o Professor

Luisa Barwinski, eleita uma das melhores profissionais de marketing digital do Brasil pela ABComm, é formada em Comunicação Social pela Universidade Positivo, especialista em Marketing, Novas Tecnologias em Jornalismo e Digital Markering & Advertising (NYU). Mestre em Administração, com ênfase em Comportamento do Consumidor (UFPR) em canais digitais de relacionamento com as marcas.
Hoje atua com projetos de consultoria em marketing digital pela MOT Digital.

×

SEO

Nesse Curso de SEO em Curitiba, você vai entender como o Google lê os sites para definir seus lugares na busca e conhecer as técnicas e ferramentas essenciais para colocar o site da sua empresa na frente dos concorrentes. Se você é empresário ou gestor, vai poder aproveitar o curso para conhecer os fundamentos básicos de SEO e gerenciar essa parte do seu marketing digital sem depender de outras pessoas. Se você é profissional de marketing, vai entender mais a fundo o funcionamento do SEO além das palavras-chave, titles e descriptions.

Quem é o Professor

Ronaldo Bitencourt, instrutor do Curso de SEO em Curitiba, é professor da Aldeia desde 2010, já passou por várias agências em Curitiba e Florianópolis (Mirum, T12, Ação Direta, Agência Hive, ZeroTrack e Midiaweb), trabalhou no time de gestão das informações de audiência no marketing da Gazeta do Povo e, atualmente, é coordenador de marketing no EBANX.

×

Face Ads

Com a queda do alcance orgânico do Facebook e a sua ascensão como veículo de mídia, anunciar na rede social já é uma realidade de empresas de todos os portes, seja para conquistar mais alcance, aumentar likes, bombar vendas ou outros objetivos. Neste Curso de Facebook Ads você vai aprender a utilizar a plataforma de anúncios do Facebook por completo, desde a configuração da conta até a análise de resultados, passando pela criação de campanhas e otimização de anúncios para alcançar resultados melhores.

Quem são os Professores

Rodrigo Goedicke, professor do Curso de Facebook Ads, é formado em Publicidade e Propaganda pela FAE e sócio-diretor de Mídias Sociais e Mídia Online da Agência 110. Sua lista de clientes atendidos abrange grandes marcas como Subway Brasil, O Boticário, inFlux Brasil, Farmácias Nissei, BeautyColor, WAP, BrMalls e Grupo Positivo.
Pedro Demomi, professor do Curso de Facebook Ads, é formado em Marketing pela PUCPR e coordenador de mídia online da Agência 110. Já trabalhou com clientes como BeautyColor, Furukawa Electric, WAP, Venum, Chaves na Mão, Imobiliária Thá e inFlux Brasil.

×

Business Intelligence

Business Intelligence (BI) é um processo que usa a tecnologia para analisar dados e apresentar informação útil que pode ser transformada em ação por executivos, gerentes, empreendedores, profissionais de marketing e de outras áreas que precisam de embasamento para tomar decisões inteligentes e seguras. Nesse Curso de Business Intelligence em Curitiba, você vai entender o uso de diversas ferramentas, aplicativos e metodologias que permitem que você colete dados (tanto de sistemas internos como de fontes externas), prepare esses dados para análise, desenvolva e execute pesquisas e crie relatórios, dashboards e visualizações que transformam esses resultados em decisões estratégicas.

Quem é o Professor

Brian Barnes:  publicitário e amante de Excel. Especializado em Business Intelligence voltado para Projetos Digitais, Mídia Online, CRM e Web Analytics. Há 10 anos no mercado de marketing digital, atua na performance de projetos digitais, com análises de campanhas e ambientes online para a geração de insumos ao negócio do cliente e recomendações de otimizações e aprendizados em busca do sucesso. Especializado na construção de relatórios em diversos formatos (Dashboards) e no uso das mais atuais e evoluídas ferramentas de Marketing Digital (Adobe Marketing Cloud, Google Analytics, Tableau, Click Tale, Hotjar).

×

Buyer Persona

Buyer personas são perfis objetivos de clientes criados com base em padrões de comportamento e outras características pessoais do público. Com elas bem definidas, fica muito mais fácil otimizar ações de comunicação e orientar a criação de produtos e serviços pensando em alcançar mais resultados com menos investimento. Você vai sair desse Curso de Buyer Persona preparado para desenhar os perfis dos seus consumidores com as principais ferramentas digitais do mercado e aprender como usar isso a seu favor para ter um negócio de sucesso e resolver os problemas do público.

Quem é o Professor

Luisa Barwinski, eleita uma das melhores profissionais de marketing digital do Brasil pela ABComm, é formada em Comunicação Social pela Universidade Positivo, especialista em Marketing, Novas Tecnologias em Jornalismo e Digital Markering & Advertising (NYU). Mestre em Administração, com ênfase em Comportamento do Consumidor (UFPR) em canais digitais de relacionamento com as marcas. Já desenvolveu projetos com foco em conteúdo e marketing digital para Vivo (GVT), Gazeta do Povo, Grupo CNH, BRMALLS e outras marcas. Hoje atua com projetos de consultoria em marketing digital pela MOT Digital.

×