Marketing de conteúdo | Aldeia | Movimento de Realizadores

Como começar um bom texto: passo a passo

Ficar durante horas diante do computador, com o cursor piscando, piscando, piscando… E nada. Quem nunca? Começar um bom texto nem sempre é uma tarefa fácil. Temos todas as ideias, temos conteúdo, temos um prazo a cumprir – geralmente bem apertado – mas temos também esse início de escrita para enfrentar. Pensando nessa dificuldade, elaboramos dicas para que você pule rapidinho essa etapa de sofrimento e vá direto para o filet mignon da sua escrita sem perder muito tempo!

Eu consigo identificar, geralmente, dois problemas que as pessoas enfrentam ao começar um texto: eles podem acontecer na hora de tirar as ideias da cabeça e colocá-las no papel ou na hora de dar o “start” mesmo na escrita. Aqui vão dicas para ajudar a resolver as duas coisas!

Primeira parte: tire as ideias da cabeça e coloque no papel

742808_orig

Dica número 01, 01, 01: Pense sobre o que você sabe a respeito

Essa é a primeira pergunta que todo mundo deve fazer a si mesmo se está com dificuldade de escrever. Às vezes não fazemos isso porque ficamos frustrados por tomar consciência de que não conhecemos tanto o assunto quanto gostaríamos ou deveríamos. Contudo, o domínio do conteúdo é fundamental para que sua escrita seja clara e honesta para com o seu leitor. Então não tenha medo de fazer essa autoanálise e perceber que é importante pesquisar mais sobre o assunto, dar uma olhada novamente nas últimas publicações sobre o tema, redigir fichamentos do que já leu. Pense que lançar esse olhar para si antes de começar é muito melhor do que chegar ao final do processo e perceber um texto mal escrito.

Dica número 02: Faça um organograma para saber por onde o texto vai caminhar

Depois de dominado o conteúdo, é possível pensar na estrutura de seu texto como um todo. Geralmente os problemas com o início de um texto acontecem justamente pela falta de uma visão mais global, mais panorâmica dele. Digo isso porque geralmente quando não se sabe por onde começar, também não se sabe como continuar. E assim, o texto fica meio “à deriva”, seguindo um fluxo que pode vir de ideias que nem sempre estão organizadas.

Esse problema pode ser resolvido ao elaborar o que eu chamo de “organograma de ideias” de um texto. Ele deve seguir uma estrutura de raciocínio bem clara e completa, e não ser somente um “agregado de ideias” que vieram na mesma ordem do que os seus pensamentos na hora de escrever. Eu, por exemplo, criei esse organograma aqui pra escrever esse texto pra vocês:

organograma

Segunda parte: mão na massa!

Ok. Já sabemos qual é a ideia principal e por onde podemos começar a “atacar” nosso texto. A primeira frase pode ser uma ótima mola propulsora pra você “engatar a primeira” e taaan tan taaaaan (música do Ayrton Senna de fundo), só vai! Então aqui vão algumas dicas e exemplos que podem te ajudar:

tumblr_mh0zj1bzC91rir2g0o1_500

Afirmação:

Um ótimo começo é fazer uma (ou várias) afirmação sobre o tema principal. Olha só:

Uma afirmação:
A crise financeira assola toda a população brasileira. Levantamentos econômicos apontam que…

Várias afirmações:
Noite do dia 22 de agosto. Jovens em uma balada conhecida de Curitiba. Bebidas, risadas, amigos. Tudo para ser um cenário completamente oposto da tragédia anunciada nos jornais no último final de semana.

Pergunta

Outro jeito de começar é lançar um questionamento sobre o tema. Geralmente perguntas são um bom caminho para criar empatia com o leitor. Você pode fazer uma pergunta que se refira a um problema que ele esteja enfrentando, ou sobre uma dúvida que ele pode ter também, olha só:

Já sabe o que vai fazer no feriado? O post do blog da Aldeia traz várias dicas para você não ficar sem fazer nada e aproveitar muito seus dias de folga.

Você já viu aquelas criaturinhas amarelas, com uns óculos gigantes e que falam uma língua muito esquisita e engraçada? Os minions têm feito muito sucesso, inclusive para além das telas do cinema.

Apresentar pontos de vista diferentes

Para começar textos que apresentarão embate entre opiniões, pontos de vista distintos, um caminho possível é inicia-lo com duas frases que apresentem brevemente quais são os dois pontos a serem trabalhados:

De um lado, professores lutando por melhores condições de trabalho. De outro, ajustes fiscais severos por conta da crise que assola o país.

Dica bônus

golden ticket

Para finalizar, a dica bônus, para você guardar no coração com muuuuuito amor, carinho, alegria, emoção, etc.: Um texto sempre é escrito para o leitor. Parece bobo, mas geralmente nos esquecemos de pensar que escrevemos um texto não para nós, mas para os outros. A finalidade do seu texto não é somente contar o que você sabe, mas ser acessível para todos. E pensar nisso é lindo, porque nossa escrita só faz sentido quando alcança o outro, né, gente?

Agora que você já sabe por onde começar, dá só uma olhada nessas dicas para escrever ainda melhor.

As pesquisas confirmam: você precisa investir em marketing de conteúdo

Foram-se os tempos em que a divulgação e o fortalecimento de uma marca ou produto eram feitos só com anúncios e formatos tradicionais de mídia. Produzir conteúdo, seja para blog, vlog, página no Facebook, revistas ou qualquer outro veículo, se tornou uma prática essencial para consolidar uma marca e conquistar clientes que acreditam no que ela oferece.

Um bom conteúdo transforma leitores e espectadores em leads (os novos contatos que a empresa recebe, que podem se tornar potenciais consumidores), depois em clientes e até, quem sabe, propagadores da marca.

funil-marketing-conteudo-simple

Para isso acontecer, é preciso colocar a cabeça para funcionar, entender o público e criar conteúdo relevante, que esteja adequado aos valores da empresa e transforme missão, visão, serviços e posicionamento em uma experiência para o cliente. Mais do que nunca, as pessoas se importam com conteúdo de qualidade, que faça mais do que vender e entregue informações, curiosidades e algo que vale a pena compartilhar. Nesse post a gente tem algumas dicas para quem quer começar a produzir conteúdo bom de verdade.

Silvio Tanabe, fundador da Clínica Marketing Digital, escreveu um artigo apresentando as principais estatísticas que provam a eficiência do marketing de conteúdo. Olha só:

Empresas cujos blogs são abastecidos diariamente geram cinco vezes mais tráfego para o site do que empresas que não possuem blogs.

As pessoas querem ler e ver coisas bacanas enquanto estão navegando na internet ou em busca de sua próxima compra. Pode ser que sua marca já até seja uma das escolhidas pelo cliente, mas oferecer um blog com bastante conteúdo, que agregue valor ao que você vende, pode ser o fator decisivo para conquistar essa pessoa. A gente listou algumas dicas para ajudar você a produzir esse conteúdo de um jeito legal.

Conteúdo interessante é uma das três principais razões pelas quais as pessoas seguem marcas nas redes sociais.

As outras duas são descontos/promoções e um bom canal de relacionamento. Isso mostra que, além de oferecer oportunidades e ser rápido na resposta, é mais do que importante produzir conteúdo relevante para quem se interessa pelo seu negócio.

Conteúdo de qualidade aumenta engajamento e lealdade à marca.

Todo mundo curte ler um post bacana, ver imagens interessantes e compartilhar conteúdo que colabora com o crescimento profissional e passa informações relevantes para as pessoas. Engana-se quem pensa que compartilhar conteúdo de uma marca é favoritismo ou função só de quem trabalha ali dentro. Quando a produção de conteúdo é forte e de qualidade, as pessoas interagem organicamente e a marca fortalece seu posicionamento.

Executivos de marketing investem 1/3 de seu orçamento em conteúdo.

As empresas já entenderam que o investimento em conteúdo gera acessos, clientes fiéis e lucro para a marca. Se você ainda não começou, é bom se apressar.

visual-content-marketing-2015-stats-you-should-know-about-2-638

Lembre-se que o conteúdo pode ser compartilhado de diferentes maneiras. Não se apegue somente ao Facebook ou ao blog – todas as redes possuem suas particularidades e a linguagem deve ser direcionada do jeito certo para cada plataforma. Entenda seu público, encontre-o e defina qual é a melhor maneira de chegar até ele, levando uma experiência bacana e, em troca, recebendo clientes e resultados para o seu negócio.

Quer aprender tudo sobre produção de conteúdo? O curso de Inbound Marketing do Aldeia Lab é especialmente focado neste assunto e vai te mostrar as estratégias para passar a mensagem certa e conquistar seu cliente.

5 dicas para quem quer produzir conteúdo na internet (de um jeito que todo mundo vai ler)

Não importa o trabalho que você tenha tido produzindo um conteúdo, ele só vale alguma coisa se as pessoas de fato o consumirem e gostarem. Hoje em dia, num mar de blogs, posts e ideias, se destacar e fazer alguém mergulhar no que você ou a sua marca tem a dizer está cada vez mais desafiador. Por isso separamos essas dicas para você apavorar na hora de produzir conteúdo para as plataformas digitais e ganhar a atenção do leitor.

1. Estude o assunto e não fique só no blá blá blá

Antes de colocar alguma ideia na internet, você precisa saber muito bem do que está falando. Conteúdo superficial tem cada vez menos espaço. Vá fundo no assunto, pesquise, descubra outros canais e entenda todos os pontos de vista sobre o tema. Além de poder complementar e diferenciar o seu conteúdo, essa pesquisa mais profunda vai te ajudar a defender seu conteúdo e pensar em boas respostas para debates ou discussões.

2. Escreva de acordo com quem te lê

Quando alguém lê o que você escreve, geralmente já tem uma ideia do que você, sua marca ou página representam, então provavelmente já se identificou. Mas é sempre bom tomar cuidado com o vocabulário, a linguagem e a com forma de se expressar. Se você está se dirigindo a adolescentes, vai falar de um jeito. Se estiver falando com CEOs, de outro. Descubra como o seu público vê e entende os assuntos que você vai abordar, conheça a linguagem a que estão acostumados e certifique-se de que aquilo vai ser interessante para eles – tanto quanto é para você. E, falando em linguagem, a terceira dica vale ouro:

3. Saiba escrever bem

Não é porque você está no meio digital que pode abusar das abreviações, emoticons e hashtags. Use-os com sabedoria. Escreva os seus posts da melhor forma possível, sempre. Isso não significa usar a norma culta e apelar para conjugações e advérbios que você não vê ninguém usando. Mas abuse dos corretores, leia tudo muito bem antes de postar e revise com olhos de águia. Erros na internet são engraçados em situações muito especificas e pontuais, então tome cuidado com eles.

4. Deixe o seu texto gostoso de ser lido

Textos são como bolo de vó: não têm receita certa, as medidas são aproximadas, mas precisam conquistar logo de cara. E você pode usar várias armas para diversificar e ganhar a atenção de quem vai ler. Incremente o post com links, vídeos e outras mídias. Aproveite o espaço da sua postagem para contar uma história legal, que combine com o tema, a marca ou o que você estiver vendendo (mesmo que seja apenas a sua opinião sobre o último capítulo da novela).

5. E, acima de tudo, goste do que você escreve

Para deixar o seu texto leve, você precisa colocar o seu coração nele. E não é só um clichê romântico: escrever pode ser algo racional, mas você deve ter vontade de continuar e, principalmente, gostar do que está fazendo. Não publique algo que não te agrada ou que você não vai conseguir defender depois. Muitas vezes, a melhor de um texto é justamente a maneira como o autor se expressa em relação ao assunto.

Quer mais? No site Life Hack tem uma lista bem legal para você se jogar nesse universo das palavras e melhorar o seu desempenho com os caracteres. Clique aqui para descobrir e aproveitar as dicas deles também.

E, em caso de pânico na hora de começar o seu texto, lembre-se: o publicitário David Olgivy disse, uma vez, para pensarmos no texto como se fossemos vender um carro para a mulher ao lado, na mesa de um restaurante. Fale de atributos, diferenciais e do que você já viveu com aquilo. Deixe as pessoas pensarem: por que eu ainda não comprei esse carro? No nosso caso, faça-as pensar “como eu não compartilhei isso, ainda?”.

7 dicas para traçar uma boa estratégia de marketing de conteúdo

Os tempos em que bastava fazer um anúncio para se posicionar e ganhar a confiança de um cliente estão no passado. O consumidor exige cada vez mais das marcas, e aquelas que não entregarem conteúdo de qualidade estão fadadas a ficar para trás e não serem lembradas. Se a sua empresa ainda não tem uma estratégia de marketing de conteúdo, essas 7 dicas vão te ajudar a começar com uma boa vantagem:

1. Construa suas personas

Persona é uma representação fictícia do seu cliente ideal. Você pode criar várias personas diferentes, dependendo da variedade do seu público, sempre considerando as características, necessidades e problemas dele. As personas não apenas são uma peça fundamental da sua estratégia de marketing como também ajudam muito a orientar processos dentro da própria empresa. Saiba mais sobre buyer personas aqui.

Guiar a sua produção de conteúdo por elas vai te ajudar a garantir que as pessoas certas o encontrem, se engajem e construam uma audiência leal. Sem personas bem estabelecidas, você vai estar simplesmente atirando no escuro e desperdiçando esforços.

2. Encare isso como um investimento

O marketing de conteúdo, como várias outras coisas dentro de um negócio, é uma maratona, não uma corrida curta. O sucesso não vai vir da noite para o dia, mas vai sendo construído com o tempo. Isso pode ser um pouco assustador para quem está acostumado com mídia paga e resultados instantâneos.

Para conseguir se manter focado e dedicado, sempre se lembre que cada post no blog e cada esforço de produção de conteúdo é um investimento no negócio. Mesmo que estime-se que demora de seis a nove meses para que você comece a colher os frutos, é um investimento relativamente curto se você comparar com o sucesso a longo prazo do seu planejamento de marketing.

3. Transforme isso numa iniciativa organizacional

Uma das chaves para o sucesso do marketing de conteúdo é fazê-lo chegar na empresa inteira. Fazer todo mundo comprar a “cultura do conteúdo”. Isso quer dizer que todo mundo dentro da empresa vai não apenas ficar empolgado por causa dos esforços do marketing, mas também vai se envolver na produção e promoção do conteúdo.

Esse é provavelmente um dos maiores desafios dos times de marketing de grandes empresas, mas é vital. Um bom conselho é começar de cima para baixo, convencendo primeiro os cargos mais altos a ajudar a criar essa cultura. Daí pra frente fica mais fácil promovê-la para o resto da organização.

4. Conteúdo não precisa ser escrito

Geralmente, quando se fala de inbound marketing, a primeira coisa que vem à cabeça é texto escrito, mas é importante lembrar que esse é apenas um formato. Se escrever não é o seu forte, pense em incorporar vídeo, áudio e infográficos à sua estratégia.

O ideal é que você escolha o formato de mídia que o sue time pode produzir melhor e que a sua audiência gosta mais. Isso também inclui uma combinação de formatos híbridos. Uma vez encontrado o equilíbrio, você vai conseguir criar conteúdo com mais facilidade e com mais eficácia.

5. Qualidade antes de quantidade

Quando você se perguntar se é melhor escrever vários posts básicos ou poucos posts incríveis, lembre-se que o objetivo é que cada conteúdo tenha valor para o leitor e o deixe feliz depois de ler. Por outro lado, é importante ter uma certa frequência de posts, então é necessário encontrar um equilíbrio. Esse equilíbrio varia de empresa para empresa, considerando recusos, mercado e tamanho da audiência.

A média é de três posts semanais, cada um com mais ou menos 700 palavras. De início, pode parecer muito, mas é uma boa fórmula para dar uma engatada inicial e gerar resultados mais rápido (de quatro a seis meses, geralmente). Se você puder fazer mais de três posts por semana, maravilha, mas tente fazer pelo menos os três.

6. Escrever é só metade do trabalho

Por mais que escrever consuma muito tempo, é só metade do processo. A outra metade é divulgar o conteúdo e convencer as pessoas a lê-lo. Isso às vezes é subestimado pelos produtores de conteúdo, que já se sentem satisfeitos ao terminar de escrever.

Certifique-se de que haja um plano de ação para divulgar os seus posts e dedique de 25% a 33% do tempo que demorou para escrever promovendo o posts. Isso é fundamental para otimizar a sua estratégia de marketing de conteúdo.

7. Reutilize

Uma das habilidades mais valiosas que um profissional de marketing de conteúdo deve possuir é a de usar o mesmo conteúdo de várias formas. Ele deve conseguir enxergar oportunidades de usar conteúdos que já existem de jeitos diferentes a fim de maximizar o valor deles.

Por exemplo: suponha que alguém dentro da empresa tenha criado uma apresentação para um evento. Isso é um ótimo conteúdo que pode facilmente ser transformado em outros formatos. Depois do evento, você pode usar a apresentação num webinar. Pode, então, transformar o webinar num texto e usar cada uma das ideias principais num post de blog. Daí pode pegar os posts mais populares e criar um e-book. E por aí vai.

Tem algo a acrescentar? Conta pra gente nos comentários!

Post traduzido a adaptado do Mashable.

Buyer Persona: o que é, onde vive e do que se alimenta?

Em um mundo perfeito, todos os planejamentos de marketing, sejam eles digitais ou não, começam com um estudo detalhado de quem são as personas dos seus consumidores – as buyer personas. Pois é, ainda sonho com este dia…

As buyer personas nada mais são do que um perfil das pessoas que costumam consumir um produto ou serviço em específico. Elas também são conhecidas como “a sua audiência” ou o “seu público-alvo” e isso significa que elas podem pensar e se comportar de uma maneira diferente do que você imaginava.

Muitas vezes partimos do princípio de que o nosso consumidor pensa exatamente igual a nós. Isso não só está errado como também pode ser o motivo pelo qual os seus resultados não estão lá aquelas coisas. Sendo assim, você precisa fazer alguma coisa a respeito disso.

Esse “alguma coisa” é justamente tentar entender quais são os pontos mais sensíveis que matariam as objeções do seu cliente ou então como estabelecer um relacionamento cada vez mais próximo com ele.

Para isso, você vai precisar de uma cartolina, lápis, tesoura (sem ponta!), canetas coloridas, revistas e de internet. Não, eu não estou brincando. Compreender a sua persona é algo que exige um pouquinho de trabalho manual.

Você precisa entender quatro esferas diferentes da vida do seu público-alvo:

Aspectos demográficos – onde vive, qual idade, é homem ou mulher, renda etc;

Aspectos motivacionais – quais são as “dores” e “sonhos” dele?

Aspectos temáticos – quais são os assuntos de interesse dessa persona?

Entrega de mensagem – como dizer a ele o que você faz?

Depois de ter esse estudo bem feito, você vai ver que o mundo será um lugar muito melhor para se viver e que os seus planejamentos não serão tão sofridos como antes. Experimente fazer isso ao menos duas vezes por ano, para sempre ter informações atualizadas sobre o seu mercado.

Por isso, mantenha a sua buyer persona sempre muito bem alimentada com dados atuais e insights de quem realmente está do outro lado do balcão. Acredite, com este primeiro passo, a sua vida vai melhorar bastante.

Post gentilmente escrito pela Luisa Barwinski, professora do curso de Buyer Persona.